segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Adeus!!!!

Só queria acordar deste pesadelo e ver que nada disto aconteceu.
Ver que não passas-te de uma ilusão enquanto passo noites acordada, a navegar no vazio que há dentro de mim desde que me deixas-te.
Acordar de um sono fingido, e ver que nunca o nosso olhar se cruzou, que as nossas maos nunca se tocaram e que os nossos corações nunca dançaram ao mesmo ritmo.
Estou exausta e sinto as minhas forças diminuirem a cada dia que passa, a cada noite sem dormir.
Comer deixou de ser a minha prioridade, pois como hei-de eu comer se o único nectar que me alimenta é o teu amor, e esse deixou -me sem oportunidade de dizer Adeus.
Resta-me somente esperar..... esperar até que as forças se acabem, e entao eu mesma dizer adeus, a algo que nunca existiu.
Até la vou guardar-te no mais profundo cofre do meu ser, porque tu sim foste e serás, apesar de tudo, o mais Lindo e Terno sentimento que alguma vez experimentei.
E irei para sempre dizer sem dúvidas nem receios....... Amo-te!!!!

domingo, 10 de janeiro de 2010

E se um dia tudo acaba?

E se um dia tudo acaba?
E se um dia já nao estas lá?
Bem pior que não estares lá, é estares, e não estar o teu olhar, e não estar o teu sorriso.
Sei que pode acontecer, não sei se estou preparada pa suportar.
Não sei se te amo, tao pouco sei se gosto de ti.
Apenas sei que me habituei à tua presença, ao teu olhar e ao teu sorriso.
Isto é de loucos, mas que seria da vida sem um pouco de loucura, sem um pouco de ousadia.
Ousei deixar-te aproximar de mim e esse foi o meu erro.
Agora não sei se consigo deixar-te partir, nem se eu mesma o farei.
És sem duvida alguem que me perturba.
Então que assim seja, que eu viva perturbada eternamente.....

Uma experiência de liberdade!!!!

Saí, a porta fechou-se e a carrinha arrancou.
Ali fiquei, sozinha, sem saber bem o que fazer, nem para onde ir.
Estava em Peniche, quase a 500km de casa.
Ao meu lado tinha o mar, a praia e o calor que se fazia sentir naquela tarde de fim de junho.
Eram 17h da tarde e eu sabia que ainda tinha muito pa esperar, tinha que ocupar o tempo.
Respirei fundo, orientei-me e organizei as ideias.
Estava realmente muito calor, precisava refrescar lol, pedi informações a pessoas que fui encontrando,
e finalmente encontrei um centro comercial, comprei calçado mais arejado, e uma camisola mais fresca, e corri pa sentir a frescura da água do mar nos pés.
Sentei-me entao na areia da praia e fiquei ali a admirar a beleza que estava à minha frente.
E foi aí que eu percebi, nunca tinha sentido nada igual, aquela sensação de que estava sozinha, mas ao mesmo tempo...sim naquele momento senti que finalmente estava só comigo....eu e eu mesma, uma conversa a sós, um monólogo que me fez encontrar respostas a muitas das minhas dúvidas.
Descobri o quanto sou importante para mim mesma, e que afinal, aquela menina sempre super protegida, controlada por tudo e por todos, conseguia pensar por ela, agir sem medos... e ir mais além.
pela primeira vez na vida senti-me.....livre, e acreditem, é a melhor sensação do mundo.
Ah...Peniche é uma cidade linda....